BERTA ISLA

“Berta Isla” de Javier Marías (Madri, 1951) permite diferentes recortes e modos de interpretação, como seus outros romances. Marías fala das obscuridades duradouras que caracterizam os relacionamentos interpessoais, inclusive os íntimos, mostrando o quão pouco podemos saber uns sobre os outros. Ele aborda várias dimensões na compreensão do ato de enganar, abrangendo quem engana e quem é enganado. Mostra a manipulação, como gesto perverso do indivíduo sozinho ou em uma coletividade, premeditando, forjando e usando ocorrências falsas, motivações fictícias, assim como impingindo crenças e valores convenientes a determinados interesses, no intuito de servir-se do outro. Além da erudição nas citações literárias, que contribuem para criar contextos para sua narrativa, o autor ousa com ideias como a de que, na História, o povo de uma nação não pode ser tão impunemente tomado como o elemento passivo e vitimizado por seus líderes. Neste romance, Berta é o que de certa forma todos somos, uma ilha. Namorada e depois esposa de um homem obrigado a tornar-se agente secreto britânico, fica alijada do que acontece-lhe e também do que ele pensa e sente. Os vínculos com outras pessoas também são sempre restritos, pouco a protagonista pode falar socialmente sobre si mesma e sua família, não há lugar para franqueza e proximidade com outras pessoas, o isolamento é a norma silenciosa, mas retumbante. Tomás, o marido é privado de quase todas as escolhas pessoais, o que deseja é sempre esvaziado, futuro e passado não devem constar em suas preocupações. É preciso estar, agir, obedecer, mas dissolver a singularidade e esperar sem esperança. Não há muito a quem se recorrer para uma prestação de contas ou obter algum tipo de ressarcimento por perdas e danos. Onde parecem estar Grahan Greene ou Balzac encontra-se Shakespeare, o drama contém a tragédia. Com discurso caudaloso e poucas vezes óbvio (mesmo que se possa adivinhar o curso da trama) Marías pretende muito. E instiga.

Título da Obra: BERTA ISLA

Autor: JAVIER MARÍAS

Tradutor: EDUARDO BRANDÃO

Editora: COMPANHIA DAS LETRAS

berta

 

6 comentários

  1. Luís, não sei a razão, mas creia, nunca li o Javier. Sua resenha me pareceu ótima para começar. Beijo. Ainda permitido, já que virtual.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Anaelena
      É um bom livro dele. Gostei ainda mais de “Amanhã na Batalha Pensa em Mim” e também gostei muito de “Coração Tão Branco”.
      Obrigado por comentar
      Beijos para você

      Curtir

Deixe uma resposta para Luis Justo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s