BLUES DO FIM DOS TEMPOS

A criação de ficções pode servir a diferentes propósitos que não a literatura. Estórias são construídas para camuflar a ignorância inescapável e aliviar o desconforto que ela promove em mentes menos humildes ou mais aflitas. A realidade também é feita de falhas de conhecimento, dos espaços para os quais não há saber sustentável a não ser pela fé, mais característica das místicas religiosas formais e suas heresias, mas também própria de outros sistemas de crenças como certo modo de empregar ideologias. Narrativas tecidas para neutralizar o temor diante do ignorado têm mostrado maior poder de convencimento do que constatações objetivas. Ian McEwan (Inglaterra, 1948) falou disto em uma palestra, transformada num pequeno livro com o título “Blues do Fim dos Tempos”, sobre as lendas que tratam do fim do mundo, às vezes embutidas nos mitos apocalíticos. Proféticas, estas estórias ou previsões veiculam diferentes ideias ligadas a ameaças e recompensas. Geralmente implicam destruição e punição dos não aderentes. É curioso como resistem ferreamente ao reconhecimento de fatos dificilmente refutáveis ou à crítica racional. As datas do fim do mundo chegam e o mundo não acaba; quase de imediato é feito um novo agendamento para a tragédia final, sem que a desconfiança relativa ao prenúncio adquira grande importância. As crenças que dominam as evidências parecem ter tanta força em pessoas com alto nível de escolaridade como nas que pouco acesso tiveram à educação formal. E ocupam o lugar de verdades. Incontestáveis. McEwan cita uma pesquisa feita nos Estados Unidos, país na liderança de estudos científicos, estimando que 90% dos americanos nunca duvidou da existência de Deus, 53% é criacionista e só 12% acredita na evolução das espécies e não crê no sobrenatural. Outra informação desconcertante menciona os religiosos que, em nome do bem, não querem a paz no mundo, para que a realização de profecias do Apocalipse, a grande revelação, aconteçam com maior rapidez e desejam o aniquilamento do planeta, esperando que uma vida melhor tenha início (para quem a merecer). Deve-se levar em conta que nem sempre pesquisas de opinião refletem fidedignamente o que se passa, que estão sujeitas a vieses, mas podem ser sinalizadores importantes. O autor faz lembrar que entre humanos o fantástico e o absurdo não são somente modalidades literárias.

Título da Obra: BLUES DO FIM DOS TEMPOS

Autor: IAN McEWAN

Tradutor: ANDRÉ BEZAMAT

Editora: ÂYNÉ

blues1

2 comentários

  1. Surpreso com essa pesquisa de que só 12% dos americanos acreditam na evolução das espécies! Acho que está faltando os pesqauisadores e cientistas se comunicar melhor com o público…
    Marcio Gewandsznajder

    Curtido por 1 pessoa

    1. Também fiquei surpreso com a citação de McEwan. É possível que a pesquisa tenha problemas metodológicos e os resultados acabam por não refletir o País como um todo. O próprio autor, em outro ponto do texto, fala da variabilidade nos resultados de pesquisas de opinião. Obrigado por comentar.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s