O CAVALO PÁLIDO

    Quatro são os cavaleiros do Apocalipse. Representam a peste, a guerra, a fome e a morte. No mito bíblico o cavaleiro da morte monta um cavalo amarelado, pálido. Boris Sávinkov (Khárkov, 1879 – Moscou, 1925), que foi verdadeiramente um terrorista, escreveu sobre as motivações daqueles que usam a destruição e o assassinato como forma de manifestação. O romance “O Cavalo Pálido” tem cunho fortemente autobiográfico e expõe de modo incisivo o funcionamento psicológico de engajados no terror. O título da obra diz muito ao usar a imagem do animal que transporta o aniquilamento e também a revelação daquilo que não era óbvio (um dos sentidos de “apocalipse”). Talvez os objetivos do autor ao escrever este romance tivessem mais relação com este último aspecto.

    O cavalo age por instinto e treinamento, não debate ideias, não justifica-se, não está sujeito às intempéries da razão. Este cavaleiro é emissário de algo que tem o tom de uma confissão. Ele pode ter que mover-se num tabuleiro de explicações sobre o mundo e sobre a tarefa de extingui-lo, mas, neste contexto foi doutrinado para sua missão e teve extirpada parte importante de sua autonomia. De certo modo, neste livro cavaleiro e montaria fundem-se. O narrador registra o que lhe é essencial num diário. Curiosamente, questões políticas têm pouco relevo no que Sávinkov revela, apesar de os eventos trágicos terem como mote aparente a eliminação do regime tzarista. A apologia dos males do governo russo tem feitio de cenário ou de um adereço. O que chama a atenção é o vazio no viver dos terroristas. Especialmente por parte daquele que narra, o coordenador das operações. A abordagem deste vazio é quase sempre oblíqua, não se transforma em objeto de reflexão por si mesma. Aparece numa espécie de concepção cínica do amor e da morte; um tipo de niilismo. O ato destrutivo ao invés de negar o vazio e a inércia, afirma-os com veemência. Afetos são evitados e, quando inevitáveis, mostram-se geralmente pueris, áridos ou inconsistentes. De algum modo, cada personagem acaba por tocar em pontos cruciais da constituição do ser que pratica o terror, como Vania, um homem maduro, ávido pela fé religiosa, que diz: “Sabe, é fácil morrer pelos outros, dedicar sua morte às pessoas. Agora, dedicar a vida é mais difícil.”

    Forte como ficção, perturbador como retrato de uma certa realidade. E apocalíptico.

Título da Obra: O CAVALO PÁLIDO

Autor: BORIS SÁVINKOV

Tradutor: RUBENS FIGUEIREDO

Editora: GRUA

 

CAVALO4

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s