MULHER DE BARRO

A violência de humanos contra humanos tem muitas formas de manifestação, o que inclui sua aparência. Geralmente os primeiros eventos impactantes ocorrem em âmbito familiar e depois acontecem ocasionalmente em contextos diversos. As motivações podem ser de múltiplas naturezas. As consequências também. Lembranças com maior ou menor grau de modificação interpretativa tendem a acompanhar as pessoas duradouramente, resistindo às tentativas de apagamento ou neutralização. Eventualmente geram fantasias autóctones de outras violências, sem correspondência com vivências objetivas, mas igualmente fundamentais na maneira dos indivíduos construírem suas identidades e identificarem outros, impregnando a percepção e interação com o mundo. Muitas vezes determinam comportamentos irracionais ou de justificavas de difícil compreensão. Contribuem para a modelagem da vida. A premiada escritora norte-americana Joyce Carol Oates (Lockport, 1938) sabe falar sobre o tema. “Mulher de Barro” conta a estória de uma mulher que, na infância, quase foi morta por sua mãe e, resgatada por alguém, empreende uma intensa luta por resgatar-se da própria tragédia. É mais uma de suas obras escritas com o tipo de maestria que faz diluírem-se as proposições formais ou didáticas para priorizar o vigor da trama e propiciar momentos de prazer a quem a lê. Antes de tudo, Oates conta boas estórias. Sem banalidade. Seduzindo inclusive por isto. Este, como outros de seus romances, transportam o leitor para o espaço de sua ficção. Torna a forma transparente para que esta não interfira na “viagem”. Discute temas de certa atualidade em sua dimensão atemporal, fazendo-os caberem elegantemente no percurso da leitura. Questões árduas e universais como a loucura, em diferentes acepções, são também abordadas sem cacoetes. Assim como ela fala da capacidade para resiliência, das oscilações entre coragem e fraqueza, entre ação e passividade e da possibilidade de construir continuamente onde os desmoronamentos são inevitáveis. Seus personagens não se furtam a adesões ideológicas. Nisto também é possível depreender o potencial para agredir, violentar. A autora faz (também) política neste livro. A posição da mulher nas sociedades que insistem nos padrões machistas; os reais interesses por trás das guerras; as mentiras usadas para manipular populações; a força das crenças, que independem das realidades onde se inserem; as dificuldades de reconhecer o outro, de respeitar, a ambição de dominar e usar pessoas; a fugacidade das intenções amorosas; tudo isto permeando e compondo a identidade do indivíduo, é matéria de trabalho para Oates. E, quando ela trabalha sabe mostrar a importância da literatura para se olhar para dentro e para fora.

Título da Obra: A MULHER DE BARRO

Autora: JOYCE CAROL OATES

Tradutora: DÉBORA LANDSBERG

Editora: ALFAGUARA

mulher-de-barro

Anúncios

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s