MINHA VIDA, ROMANCE AUTOBIOGRÁFICO

Nelson Rodrigues (Recife, 1912 – Rio de Janeiro, 1980) olhou para a vida com intensidade e ousadia. Foi firme no que disse através de sua produção literária, talvez em consonância com a resistência que aprendeu a ter naquilo que viveu. Causou muita polêmica, despertou admirações apaixonadas e repulsas explícitas. Seduziu. A realidade mais consistente em sua obra é a do desejo, no sentido psicanalítico freudiano do termo. Trabalhou com matéria crua. Chocou. Mais reconhecido como dramaturgo, especialmente com a peça “Vestido de Noiva” tornou-se referência de modernidade no teatro do Brasil. Todavia, escreveu também como jornalista policial, cronista esportivo, romancista, e folhetinista. Nesta última modalidade, fez muito sucesso no final dos anos 40 e início dos 50 adotando o pseudônimo de Suazana Flag e publicando em grandes jornais e revistas estórias sorvidas com avidez por um grande número de leitores, como “Meu Destino é Pecar” e “Escravas do Amor”. Dispensou qualquer compromisso com a sofisticação formal. A suposta escritora incendiou a fantasia de muitas pessoas e recebeu cartas de homens apaixonados. Ela não aparecia em lugar nenhum, mas era sempre aguardada. Sugeria ter tudo o que se queria numa mulher (o que quer que isto significasse). Um dos grandes exemplares de mulher que vivia no mundo de Nelson Rodrigues. Com seus devidos estereótipos. Datados, mas construídos para durar. Alguns de seus textos enquanto Suzana Flag foram transformados em novelas radiofônicas. “Minha Vida, Romance Autobiográfico” (de Suzana Flag) fez parte deste conjunto. Quem lê este livro pode experimentar o sabor das possivelmente extintas novelas de rádio. O formato é fiel a elas. Embora não esteja à altura dos romances e principais peças teatrais do autor, contém o mesmo gérmen. Autêntico Nelson. Na estranha fronteira entre o reacionarismo e a vanguarda, ela fala das relações entre homens e mulheres; do lugar do sexo; da exiguidade de espaço para amores sólidos e, especialmente, da mulher. Suzana é uma bela histérica. Encantada e horrorizada pelo poder, buscando em vão seus ícones mais fidedignos, sedutora que não entrega o que promete e despreza o que podem entregar-lhe. Sempre adolescendo. Habita o drama discursando como quem está fazendo as malas no intuito de imigrar para a tragédia. Mas, suas malas não são próprias para isto. Nem ela. Fantasias incestuosas, a dominação de um gênero sobre o outro, o flerte com o prazer carnal mais proibido, a violência como veículo para o gozo, a mentira, a disputa, são elementos que, descartando coerências e plausibilidades, constroem a trama. É histórico em nossa literatura, é realista quanto à natureza do que pretende tratar. É nonsense.

Título da Obra: MINHA VIDA, ROMANCE AUTOBIOGRÁFICO (DE SUZANA FLAG)

Autor: NELSON RODRIGUES

Editora: COMPANHIA DAS LETRAS

FLAG1

Anúncios

2 comentários

  1. Também acho que são autores que criaram personagens fascinantes e Nelsom Rodrigues tratou de temas que dificilmente aparecem com tanta ousadia em outros autores. Obrigado pelo comentário
    Abs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s