A TABELA PERIÓDICA

A matéria em sua radicalidade contém a vida. E também morte. E o que excede vida e morte. Os elementos químicos, uma vez reconhecidos, foram objeto de estudo e de sucessivos esforços de classificação que fosse conforme às propriedades de cada um deles e às leis derivadas de sua posição no conjunto. Desde Antoine Lavoisier em 1789 (talvez antes) cientistas tentaram sistematizações racionais destes elementos. Dmitri Mendeleev e Julius Meyer fizeram grandes avanços neste campo durante o século XIX construindo o modelo que é aproximadamente o utilizado até agora. Excetuando-se os químicos, poucos detêm-se na reflexão sobre o que são e o que determinam os elementos fundamentais que constituem a matéria. Neles há universos. O escritor italiano Primo Levi (Turim, 1919-1987) foi também um químico. Enxergou uma química ainda mais complexa do que o pensamento científico permitia ver.  Mergulhou em profundezas que metafísicas não explicam, onde a solidez do a dimensão trágica, do inescapável, impera. Com seu olhar focalizamos a fortuidade do viver e a modéstia das vontades humanas. Nesta mirada fragilizam-se todas as grandes referências criadas e criadoras de sentidos que se constroem para aliviar angústias cotidianas. As significações revelam-se sempre singulares e perecíveis. O significar, um mister digno de Sísifo. A racionalidade parece pairar solta e efêmera sobre os discursos que os humanos constroem sobre si mesmos. Primo Levi foi um corajoso esteta da relação artificial entre o real e os inúmeros artifícios forjados para apreende-lo. Tarefa inglória e propensa a falhar, mas, pilar da esperança, bálsamo indispensável para que o ser pensante tolere sua sujeição à brutalidade da matéria ignorante de sentidos. Matéria soberana. Nesta obra que oscila entre a intencionalidade da ficção e o determinismo do relato memorialista (ficção de outra natureza), o autor usa alguns dos componentes da tabela periódica para nomear tangencialmente o que afeta ou constitui sua biografia. Ou qualquer biografia. Cria beleza que ofusca a ponto de não ser reconhecida. Navega no que viveu. Família, cultura, momento histórico e desconcerto pelo incerto que rege o passado, o presente e o futuro. Um texto profundamente sensível, que dispensa classificações. Mesmo periódicas. Prosa tocante. Curva-se ao que é sobre-humano e sobre-vivente. Nisto agiganta-se. Humildemente.

Título da Obra: A TABELA PERIÓDICA
Autor: PRIMO LEVI
Tradutor: LUIZ SÉRGIO HENRIQUES
Editora: RELUME DUMARÁ

#literatura #resenha #estantedojusto.com #primolevi

IMG_6325

Anúncios

8 comentários

  1. Que ideia fantástica.
    Estamos todo o tempo diante da beleza das coisas no nosso cotidiano. Entretanto, poucos são os ILUMINADOS que conseguem capturar e traduzir essa beleza em palavras. Parabéns ao Primo e a você.
    Abs

    Curtir

  2. Luís é sempre muito agradável entrar em contato com suas sugestões e comentáriosprova indiscutível do seu talento e seriedade, estou no Canadá que me surpreende a cada dia e cada cidade que conheço.
    Sua civilidade é admirável. Talvez esse “seja o Brasil que eu queria”.
    Assim que eu voltar marcaremos um encontro.
    Saudades,
    Lauro

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s