O PAVILHÃO DOURADO

Escolhas plenas ao longo da vida raramente são possíveis. Escolher nunca é simples ou fácil. Se assim parece a alguns, é somente por força da simploriedade. E ainda, poder optar por algo não garante segurança nem acerto. Bem e Mal não são prévios ao viver. O escritor japonês Yukio Mishima (o nome que lhe foi dado era Kimitake Hiraota, Tóquio, 1925-1970), autor de “O Pavilhão Dourado”, teve uma vida relativamente curta e marcada por eventos trágicos, sofridos e praticados. Parecia ser alguém que não fazia concessões e que preferia quebrar a vergar. Cometeu um tipo de suicídio, sepuku, alegadamente por questões políticas. Mas, pelo que foi dito por quem o conheceu, ele que era fascinado pela ideia da morte. O protagonista deste romance, Mizogushi, marcadamente intolerante às imperfeições que caracterizam a vida, não pode enxergar ou aceitar o universo que existe entre os extremos em que são designados o Bem e o Mal. É um jovem muito pobre que está sendo preparado para tornar-se monge zen-budista, assim como seu falecido pai o fora, e tem no Pavilhão Dourado, parte do templo em que passa a viver para o aprendizado, o padrão da Beleza em sua integridade, do Bem. Desde a infância sente-se torturado e humilhado pela gagueira e pelo que vê em seu ambiente familiar. Não pode transigir em relação a qualquer modo de irregularidade, imprevisibilidade e deficiência. Nisto ele localiza o Mal. Por este prisma não haveria escapatória para o ser humano. Viver já poderia ser o Mal. O Conhecimento, maior que a Beleza, sua constatação. Os polos de idealização não são inequívocos para o personagem, ele claudica entre eles. Descobrir a essência do Mal e a verdade de sua existência é uma obsessão na precariedade que caracteriza sua visão de mundo. Nisto concentra-se o que poderia ser chamado de sua formação. Acaba por somente encontrar espaço e motivo para a ação digna através do exercício da crueldade, da corrupção e da destruição. O que pode ver e afirmar no que escolhe é quase uma antítese do que mais facilmente é concebido como filosofia zen-budista. Mas, o que fica sugerido na abordagem (quase um mantra) do autor é o contrário. Também por isto não é uma leitura que possa ser feita como contemplação e, menos ainda como via para cultivar a paz de espírito no Belo.

Título da Obra: O PAVILHÃO DOURADO

Autor: YUKIO MISHIMA

Tradutor: SHINTARO HAYASHI

Editora: COMPANHIA DAS LETRAS

6 comentários

  1. Olá doutor Justo tudo bem?
    Eu tenho consulta contigo dia 19/01, o senhor já providenciar o laudo para a cirurgia, vou ligar no crt e remarcar, vou estar em outro estado e meu plano não cobre ligações roaming, desejo um excelente inicio de ano.
    Desde já agradeço
    Bianca
    ________________________________

    Curtir

    1. É mesmo perturbadora. O autor (que acabou se suicidando) era um homem muito insatisfeito com mundo em que viveu e, provavelmente, com ele mesmo. Obrigado pelo comentário

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s