O PAVILHÃO DOURADO

Escolhas plenas ao longo da vida raramente são possíveis. Escolher nunca é simples ou fácil. Se assim parece a alguns, é somente por força da simploriedade. E ainda, poder optar por algo não garante segurança nem acerto. Bem e Mal não são prévios ao viver. O escritor japonês Yukio Mishima (o nome que lhe foi dado era Kimitake Hiraota, Tóquio, 1925-1970), autor de “O Pavilhão Dourado”, teve uma vida relativamente curta e marcada por eventos trágicos, sofridos e praticados. Parecia ser alguém que não fazia concessões e que preferia quebrar a vergar. Cometeu um tipo de suicídio, sepuku, alegadamente por questões políticas. Mas, pelo que foi dito por quem o conheceu, ele que era fascinado pela ideia da morte. O protagonista deste romance, Mizogushi, marcadamente intolerante às imperfeições que caracterizam a vida, não pode enxergar ou aceitar o universo que existe entre os extremos em que são designados o Bem e o Mal. É um jovem muito pobre que está sendo preparado para tornar-se monge zen-budista, assim como seu falecido pai o fora, e tem no Pavilhão Dourado, parte do templo em que passa a viver para o aprendizado, o padrão da Beleza em sua integridade, do Bem. Desde a infância sente-se torturado e humilhado pela gagueira e pelo que vê em seu ambiente familiar. Não pode transigir em relação a qualquer modo de irregularidade, imprevisibilidade e deficiência. Nisto ele localiza o Mal. Por este prisma não haveria escapatória para o ser humano. Viver já poderia ser o Mal. O Conhecimento, maior que a Beleza, sua constatação. Os polos de idealização não são inequívocos para o personagem, ele claudica entre eles. Descobrir a essência do Mal e a verdade de sua existência é uma obsessão na precariedade que caracteriza sua visão de mundo. Nisto concentra-se o que poderia ser chamado de sua formação. Acaba por somente encontrar espaço e motivo para a ação digna através do exercício da crueldade, da corrupção e da destruição. O que pode ver e afirmar no que escolhe é quase uma antítese do que mais facilmente é concebido como filosofia zen-budista. Mas, o que fica sugerido na abordagem (quase um mantra) do autor é o contrário. Também por isto não é uma leitura que possa ser feita como contemplação e, menos ainda como via para cultivar a paz de espírito no Belo.

Título da Obra: O PAVILHÃO DOURADO

Autor: YUKIO MISHIMA

Tradutor: SHINTARO HAYASHI

Editora: COMPANHIA DAS LETRAS

4 comentários

  1. Olá doutor Justo tudo bem?
    Eu tenho consulta contigo dia 19/01, o senhor já providenciar o laudo para a cirurgia, vou ligar no crt e remarcar, vou estar em outro estado e meu plano não cobre ligações roaming, desejo um excelente inicio de ano.
    Desde já agradeço
    Bianca
    ________________________________

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s