MONTAIGNE

Stefan Zweig (Viena, 1881 – Petrópolis, 1942) parece ter buscado compreender a si mesmo e aos outros seres humanos para tentar descobrir mais justas e melhores maneiras de viver. Expressou afinidades com muitos outros que, em seu modo de ver, teriam feito o mesmo. Produziu extensa obra literária e nela escreveu sobre seus irmãos nestas intenções. Um dos que mais admirava era Michel de Montaigne (Castelo de Montaigne (França), 1533-1592). Escreveu um ensaio biográfico sobre este pensador e compôs um perfil de homem que, sob sua ótica, não teve a arrogância de produzir ou descobrir verdades únicas e indiscutíveis. Montaigne parece ter desprezado todos os que afirmavam estar em poder delas. Buscou a liberdade através do autoconhecimento e da afirmação da própria singularidade. Esse foi um ponto de partida para refletir sobre a relação do indivíduo com a sociedade e aquilo que o caracteriza como um ser humano. Foi o herdeiro de um título nobiliárquico e de muitos bens, em uma família de recente inclusão na nobreza e que tinha feito fortuna com comércio na região de Bordéus, França. Filho da miscigenação entre cristãos e judeus, conheceu de perto as questões de diversidade; foi educado para ser homem culto e dotado de autonomia para pensar. Atuou como magistrado e político durante curto período e, acreditando não ter força suficiente para superar a estupidez e violência que via na sociedade de seu tempo, isolou-se numa torre de seu castelo no intuito de ler, pensar, e tentar enxergar o que o constituía mais profundamente e o movia no mundo. Foi contemporâneo das guerras religiosas na Europa e da noite de São Bartolomeu (em que milhares de protestantes foram assassinados por católicos, em 23/24 de Agosto de 1572, dando início a um conflito de extrema violência que durou vários meses); percebeu a magnitude da propensão para a barbárie nos seres humanos. Absteve-se de manifestações sobre aquilo que considerava superar sua capacidade compreensão e passou ao largo de muitos temas em pauta no seu tempo de vida. Se não houve declaração de arrependimento propriamente dito pela isenção ou silêncio em relação a assuntos específicos, ao menos considerou um erro que, como ele tinha feito, alguém pudesse crer que abster-se de participação seria melhor do que arriscar-se a errar. Montaigne viu índios brasileiros levados para a França e encantou-se com o que julgou modos primitivos e autênticos de relação do homem com a Natureza e de convivência interpessoal. Disse não se chocar excessivamente sobre comportamentos deles, inclusive o anunciado canibalismo. Comparou as ações dos “selvagens” com as dos líderes religiosos católicos e protestantes, que torturavam e matavam pessoas por terem crenças distintas ou por serem tomadas como bruxas ou demônios e proclamou horror muito maior em relação aos doutos e “civilizados” que permitiam-se tais atos. Todavia, acabou por bendizer a vida como um todo em que seriam inevitáveis a brutalidade, as contradições e iniquidades, considerando ilusão a crença de que isso já tivesse sido diferente em essência em algum momento do passado ou que pudesse vir a ser “corrigido” no futuro. Escreveu os “Ensaios”, textos independentes entre si, em que abordou temas variados. Desejou ser tomado por um homem comum que se expressava sobre algo, sem que o vissem como um sábio incontestável. Não pretendeu ensinar verdades definitivas a ninguém. Pareceu valorizar o estímulo à reflexão crítica, mesmo que isso derivasse de opiniões aparentemente bem fundamentadas. Celebrou a constante transformação que atesta o viver. E, como Stefan Zweig, tornou-se parceiro dos que desejam ter olhos tanto para o que é singular como para o que é plural. Sem pretender completudes ou perfeições.

Título da Obra: MONTAIGNE

Autor: STEFAN ZWEIG

Tradutoras: MARIA ELZA NEVES E MARIA JOSÉ DINIZ

Editora: ASSÍRIO & ALVIM (PORTO EDITORA)

Montaigne

2 comentários

  1. Luís, adorei esta sua resenha. Gosto de Stefan Sweig e sou uma leitora assídua de Montaigne. Tenho os “Ensaios” na minha mesa de cabeceira e, vira e mexe, recorro a eles. São maravilhosos e nos dão a medida da vida, da morte, da angústia, da amizade, do poder, de tudo, enfim. Ao lado de Sêneca, Montaigne é quase um Reconter. (rs) Não sabia desse livro do Sweig sobre ele, mas vi que a edição é portuguesa, fica difícil encontrá-lo. Obrigada pelo post, viu? Beijo daqui de Tiradentes.

    Curtir

    1. Muito obrigado por comentar querida Anaelena. Também para Zweig creio que Mantaigne foi mais ou menos um reconter. Ele chama-o de amigo e companheiro em algumas partes do ensaio. Espero que você esteja gostando de Tiradentes.
      Um beijo

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s